Quais são os sintomas das varizes pélvicas / Síndrome de Congestão Pélvica? (Parte 2)

Posted on

Um problema pouco conhecido, mas com muitos casos entre as mulheres é o de varizes no útero ou varizes pélvicas como também são conhecidas.

As varizes uterinas são mais frequentes em mulheres de meia idade que tiveram mais de um único filho. O surgimento de varizes no útero (ou varizes pélvicas) acontece devido à dilatação e alongamento das veias na região da pelve¹. Apesar de também afetarem homens, as varizes pélvicas nas mulheres são mais difíceis de identificar, uma vez que seus sintomas são bastante parecidos com os da endometriose¹. A incidência de varizes pélvicas aumenta conforme a idade avança e também podem aparecer com maior intensidade durante a gravidez, regredindo após o parto¹. Entre os principais sintomas das varizes pélvicas, estão: ● fortes dores abdominais (na região do baixo-ventre)¹,²; Descartadas essas possibilidades, é realizado o exame para identificar a presença de varizes na região pélvica³. O ecodopler colorido, apesar de ser um exame minimamente invasivo, auxilia no diagnóstico das varizes pélvicas, mostrando veias dilatadas na região dos ovários, do útero e do colo do útero¹. No caso das varizes pélvicas, todo cuidado é pouco, uma vez que as veias na região da pelve têm como função conduzir o sangue ao coração¹. Juliana Puggina Cirurgia Vascular e Endovascular CRM-SP 134.963 As varizes, apesar de serem mais comuns nas pernas, também podem acometer as veias da região pélvica.

Dores abdominais crônicas podem ser sinal de varizes pélvicas

  • Aumentar o volume do fluxo menstrual
  • Presença de coágulos
  • Aumento da frequência urinária
  • Retenção da urina
  • Prisão de ventre
  • Inchaços nas pernas e varizes

Essas varizes da região pélvica podem levar a quadro de dor durante e após a relação sexual e dor na parte inferior do abdome, a chamada dor pélvica crônica.

Síndrome da Congestão Pélvica: entenda o que é isso As varizes pélvicas são veias dilatadas ao redor dos órgãos da pelve, como útero e ovários. A presença dessas varizes em grande quantidade leva ao aparecimento de sintomas, que caracterizam uma doença chamada Síndrome da Congestão Pélvica. A síndrome da congestão pélvica é caracterizada pela presença de dor na região inferior do abdome, popularmente conhecida como baixo ventre. O refluxo nas veias da região pélvica podem, inclusive, ser causa de reaparecimento de varizes nas pernas daquelas mulheres que já realizaram cirurgia para varizes. Sendo assim, as varizes pélvicas devem sempre ser investigadas na recidiva da doença varicosa, porque podem ser a causa de seu reaparecimento em até 17% dos casos. Os portadores dessa síndrome, além dos sintomas relacionados com a congestão das veias pélvicas, apresentam ainda dores nos flancos e perda de sangue na urina (hematúria). Geralmente, os portadores dessa síndrome, além de varizes pélvicas, apresentam varizes, inchaço e episódios de trombose na perna esquerda. As varizes pélvicas nessa síndrome ocorrem pela sobrecarga de sangue nas veias ilíacas devido à obstrução. Esse sangue acumulado procura outros caminhos para chegar de volta ao coração, passando pela veias pélvicas e atingindo a veia ilíaca do lado direito, assim seguindo seu caminho.

A cirurgia de varizes é um procedimento realizado em Hospital para portadores de varizes de médio e grosso calibre.

  • Parceiros Sexuais
  • Atividade Sexual Precoce
  • Parceiro Sexual Promíscuo
  • Acho por Longo Prazo
  • 1º Parto (menos de 16 anos)
  • Tabagismo
  • Baixo Nível Sócio-Econômico

Além dessas duas síndromes, a obstrução das veias ilíacas e veia cava inferior por um quadro de trombose venosa profunda também podem levar ao aparecimento de varizes pélvicas.

Tratamento das varizes pélvicas Quando é feito o diagnóstico desse problema, precisamos identificar a causa das varizes para indicar o melhor tratamento. São varizes que se formam na região pélvica, em volta do útero e ovário, sendo a principal causa de dor pélvica crônica, que geralmente ocorre durante o período menstrual. Luís Henrique Benfica - 16/03/2018 - 19h5min As Varizes Pélvicas são dilatações das veias localizadas na pelve, próximas ao útero. Essas varizes podem ser restritas à região pélvica isoladamente ou se extenderem até o períneo, vulva e/ou membros inferiores. É mais comum em mulheres multíparas (com mais de 2 gestações) e um número maior de casos afetando a região anexial esquerda e o membro inferior esquerdo são habitualmente encontrados. O conhecimento dos diferentes tipos de drenagem da região pélvica é essencial para um bom entendimento da fisiopatologia e tratamento das veias varicosas da pelve. Essas veias contém válvulas e são de extrema importância para a drenagem venosa da pelve, por outro lado, quando elas se tornam insuficientes, irão resultar na formação das varizes pélvicas. Numa dessas veias pode surgir fluxo invertido, causando varizes pélvicas e o síndrome da congestão pélvica. Na cirurgia para varizes pélvicas, o médico faz um “nó” nas veias afetadas, fazendo com que o sangue circule apenas nas veias que estão saudáveis.

NEWS: tratamento de varizes pélvicas sem cirurgia

  • Dor abdominal;
  • Dor durante o contato íntimo;
  • Sensação de peso na região íntima;
  • Incontinência urinária;
  • Aumento da menstruação.

Durante o tratamento para varizes pélvicas, o paciente deve ter alguns cuidados como: Estes cuidados ajudam na compressão das veias e no retorno do sangue para o coração.

A presença de uma hérnia na região pélvica pode causar dor nesta região, assim como a inflamação ou lesão de qualquer músculo localizado nesta área causam este sintoma. Juliana Amato, ginecologista e obstetra da Amato Instituto de Medicina Avançada, que garante que as mulheres com varizes pélvicas podem engravidar, “mas devem fazer o tratamento antes. Sabendo que a gravidez pode piorar as varizes pélvicas, agravando seu tamanho ou mesmo sintomas”, alerta. Diagnóstico e TratamentoO diagnóstico e tratamento das varizes pélvicas são obtidos por meio de exames como eco-doppler, tomografia abdominal ou pélvica e angiorressonância. Um dos temas mais abordados durante o RSNA 2010 foi o aprimoramento da técnica e dos resultados no tratamento das varizes pélvicas através da embolização. As varizes pélvicas são causadas pela dilatação das veias que drenam o sangue dos órgãos pélvicos (útero e ovários). Mulheres com anormalidades da cavidade uterina, tais como a presença de miomas submucosos ou útero bicorno (malformação uterina que consiste em haver praticamente dois corpos uterinos; dois cornos). A Endometriose pode ser definida como a presença e a proliferação de tecido endometrial (tecido que menstrua) fora da cavidade uterina. As queixas mais comuns são de peso ou desconforto na região inferior do abdômen sem encontrar qualquer sinal de inflamação pélvica ou doença urogenital.

Quais são os sintomas das varizes pélvicas / Síndrome de Congestão Pélvica?

As varizes pélvicas são veias dilatadas e estão presentes ao redor do útero, trompas e ovários.

Além disso, alteração hormonal e a compressão exercido pelo aumento do útero e criança sobre as veias pélvicas leva a maior ocorrência de varizes, em especial nas mulheres multíparas. Estima-se que entre 40% a 80% das mulheres na idade reprodutiva são portadoras de mioma e, destas, pelo menos um terço requer tratamento devido à presença de sintomas. Algumas mulheres queixam-se de dor pélvica crônica, que pode estar associada a varizes pélvicas. O ginecologista faz o diagnóstico e tratamento das varizes pélvicas nas mulheres, e o urologista nos homens, através de exames, como eco-doppler, tomografia abdominal ou pélvica e angiorressonância. As varizes pélvicas não têm cura, mas os sintomas podem ser controlados através de cirurgia e remédios. Quem tem varizes pélvicas pode engravidar, mas deve fazer o tratamento antes. As varizes pélvicas na gravidez podem ser frequentes devido ao aumento do volume de sangue na grávida e ao efeito relaxante dos hormônios durante a gestação. Quando as varizes pélvicas surgem na gestação, não impedem o parto normal e tendem a diminuir após a gravidez. Outra situação denominada leiomiomatose uterina, caracteriza-se pela presença de incontáveis leiomiomas,

Varizes pélvicas e varizes nos membros inferiores

O fluxo invertido em alguma dessas veias podem causar varizes pélvicas e a síndrome da congestão pélvica.

O refluxo das veias pélvicas pode ser drenada para veias dos membros inferiores causando as varizes de membros inferiores. A presença dessas varizes em grande quantidade provoca sintomas que caracterizam a Síndrome da Congestão Pélvica. Nas mulheres esta síndrome apresenta-se como varizes pélvicas propriamente ditas, enquanto que nos homens apresenta-se como varicocele (dilatação de veias no saco escrotal). Nas mulheres esta síndrome apresenta-se como varizes pélvicas propriamente ditas, costuma surgir após os 30 anos de idade e geralmente após a 2ª gestação. Varizes em região da vulva, vagina e na região glútea podem ser encontradas nas mulheres, e varicocele nos homens. Alguns pacientes, principalmente aquelas mulheres que tiveram mais de 2 gestações, podem desenvolver dilatações dessas veias que drenam o sangue da região pélvica. Esse fluxo lento aumenta a pressão nas veias, levando à maior dilatação (as varizes pélvicas). A pessoa portadora de varizes pélvicas poderá também apresentar varizes cuja causa não se encontra nas pernas, mas sim nas veias insuficientes da pelve. Confirmada  a causa da dor pélvica pelas varizes pélvicas, durante esse exame já podemos realizar o seu tratamento intervencionista. As vezes, as varizes pélvicas podem ter origem na compressão da veia renal, um quadro muito específico chamado síndrome do quebra-nozes (esse tema será abordado em outra postagem).